Notícias FENTECT

home » Notícias FENTECT
24 de Setembro de 2019 às 16:30

Secretário de Bolsonaro mente e ataca trabalhadores dos Correios

Créditos: Amanda Perobelli/Reuters
Salim Mattar, o aliado de Bolsonaro que quer transformar o governo num balcão de negócios
Amanda Perobelli/Reuters

Secretário especial de desestatização – um nome mais ameno para entreguismo -- Salim Mattar mentiu deliberadamente sobre os Correios e ainda responsabilizou os trabalhadores da empresa pela atual situação financeira ao dizer, em uma declaração ao jornal O TEMPO reproduzida pelo portal UOL no dia 23 de setembro, que “os Correios são uma empresa muito grande, com mais de 100 mil funcionários, quando bastavam 50 mil para funcionar. Há agravantes como o rombo no Postalis, o rombo no sistema de saúde com também, porque era possível levar pai, mãe, papagaio. Quebrou. Os funcionários dos correios quebraram os correios".

Mattar constantemente se gaba da proximidade pessoal e ideológica com o presidente e não por acaso utiliza o mesmo expediente de mentir e tratar trabalhadores como inimigos para forjar um discurso de gestão moderna. As declarações cínicas do secretário mostram que mais do que desconhecer a situação de uma empresa estratégica para o país, ele não se importa com isso, pois representa os interesses privados e o sequestro dos direitos para transformá-los em serviços a serem vendidos no mercado.

Não é possível que, ao mencionar o Postalis, Salim Mattar desconheça que Paulo Guedes, seu colega no Governo, seja investigado justamente pelo rombo no fundo de pensão dos ecetistas. Também não é por desconhecimento que ele afirma que os Correios poderiam funcionar com efetivo reduzido. O discurso busca reafirmar o ideário neoliberal em que a conta sempre fica para os trabalhadores seja sob a forma de exploração com a terceirização irrestrita, seja com a prestação de serviços precários a alto custo, como é o caso de outros setores que sofreram com a privatização.

Ao citar o plano de saúde da categoria, o secretário de Bolsonaro ignora que os trabalhadores aceitaram manter benefícios sem reajustes salariais reais, tendo hoje o menor salário entre os trabalhadores de empresas estatais. Isto prova que os ecetistas sempre tiveram responsabilidade com esta empresa, ao contrário de quem quer se desfazer do patrimônio brasileiro por estar comprometido não com o povo brasileiro, mas com a sanha do mercado.

O que Salim Mattar não consegue e nem vai dizer – pois assim como o presidente que ele representa, só sabe mentir para tentar confundir as pessoas – é como uma empresa que só dá “prejuízo” tem oito grupos interessados em compra-la.

A FENTECT repudia as declarações do secretário e reafirma sua luta contra a privatização feita com verdade e responsabilidade de quem quer uma empresa pública moderna, autossustentável e que preste serviços de qualidade ao povo brasileiro. O Brasil não pode ser um balcão de negócios do Governo Bolsonaro.

NÃO À PRIVATIZAÇÃO!


Outras Notícias

Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares - FENTECT

SDS, Ed. Venâncio V, Bloco R, loja 60 - Brasília/DF - CEP:70393-900 - Fone/Fax:(61) 3323-8810 - fentect@fentect.org.br